Franquia? Todo cuidado é pouco!


Confira algumas dicas para não cair em golpes


O Brasil passa por um momento econômico delicado e o desemprego é um fantasma que ronda a cama de muitos executivos das classes média e média-alta.
Quando uma demissão acontece de surpresa, uma alternativa interessante para quem recebe uma rescisão polpuda – ou para quem fez um “pé-de-meia” durante alguns anos – é abrir um negócio próprio. Se a pessoa nunca teve experiência como empreendedor, uma franquia soa como uma excelente opção.

Definição de franquia

Cuidado!!!

Essa é a hora que um sonho pode se tornar rapidamente em um pesadelo.
Porque infelizmente, o mercado está repleto de armadilhas e de estelionatários que descobriram, no modelo de franquia, uma forma de fazer dinheiro fácil.

O golpe é bem simples de aplicar: encontre alguém que está com dinheiro em caixa, venda um sonho reluzente, pegue o dinheiro e deixe o otário a ver navios.
Parece exagero, mas há franquias especializadas em aplicar esse tipo de golpe.

Vender uma franquia é relativamente fácil, porque tudo acontece no papel. Basta apresentar uma proposta sexy, uma loja encantadora, produtos de primeira qualidade, planilhas de Excel que mostrem que a pessoa rapidamente atingirá o “break-even” e prometer que estará sempre lá para apoiar a vítima, digo, o franqueado, com a sua “experiência”.

“É uma cilada, Bino!”

Bino, ao descobrir que é uma cilada

Assisti a essa novela ao acompanhar uma amiga que decidiu abrir uma cafeteria. Encantou-se com uma proposta realmente bonita, e investiu numa franquia tudo que tinha economizado na vida.
Como o sonho vendido era de uma cafeteria elegante, fizeram-na comprar equipamentos [desnecessariamente] caríssimos e obrigaram-na a contratar uma arquiteta “parceira” que entregou um projeto “copy-paste” com inúmeros erros bastantes graves de arquitetura. Minha amiga também foi induzida a contratar uma empreiteira que, além de cobrar um valor exorbitante para reformar o imóvel que ela alugou, deixou a loja inacabada e com as partes entregues literalmente “desmontando”. Ela precisou contratar outra empresa para finalizar a obra e até hoje precisa “remendar” o projeto que pagou a peso de ouro, porque dentre outros problemas, a loja alagava quando chovia!

Mas o sofrimento não acaba com a parte civil. Foi durante o “treinamento” para a equipe que ela descobriu que os franqueadores não entendiam nada do negócio que eles vendiam. Um dos sócios (a empresa eram somente 2 irmãos) não conseguia acertar o ponto de um bolo. O outro fazia previsões teóricas que nunca se concretizaram. Pudera! Eles não possuíam uma loja sequer. Nunca tinham tido uma cafeteria, dá pra acreditar?!

A esse ponto, a cilada já ficava clara. Ela não recebeu nenhum material de marketing, e descobriu, tardiamente, que a empresa não fazia investimento algum em marketing e divulgação. O único negócio da empresa era vender franquias!

Oh, céus! Como me protejo disso?!

É importante fazer um trabalho minucioso de estudo de uma franquia antes de embarcar nessa aventura.

  • Pesquise o histórico dos franqueadores
    O modelo de negócio precisa ser comprovado. JAMAIS compre uma franquia de alguém que não passou ALGUMAS VEZES pela experiência que você irá passar. Se for para desbravar todo o território, desenvolver produtos, desenvolver material e estratégias para divulgar sua loja, criar processos de trabalho (como minha amiga precisou fazer), então você não precisa pagar para ninguém. Uma franquia deve oferecer tudo isso, e você deve se sentir seguro que os franqueadores têm experiência e competência para entregar essas promessas. Lembre-se também de fazer buscas na Internet (e em redes sociais) para levantar informações sobre os indivíduos com os quais você estabelecerá uma relação que, a princípio, deverá ser duradoura. Consulte currículos online para ver se a franquia realmente possui profissionais capacitados.
  • Converse com outros franqueados
    Visite outras unidades da franquia. Normalmente, franqueados se ajudam e trocam muitas informações entre si, portanto costumam ser bastante prestativos. Converse com os proprietários e jamais aceite fazer isso na presença do franqueador. Se um franqueador sugerir isso, DESCONFIE. Se o franqueador não quer que você fale direta e livremente com seus franqueados, é porque ele tem coisas para esconder de você e não quer que eles contem.
  • Seja cliente assíduo da franquia
    ANTES de pensar em adquirir uma franquia, frequente-a. Confira como você é tratado como cliente. É esse o atendimento que você vai querer prestar a seus clientes no futuro? A experiência que você teve é a que você quer oferecer?
    Conviver alguns dias como cliente permitirá entender um pouco da dinâmica do negócio, entender o fluxo, processos, horários de pico, fazer uma projeção aproximada de faturamento, tamanho da equipe necessária, treinamento, etc.
  • Leia a COF (Circular de Oferta de Franquia)
    A lei de franquias no Brasil é bastante flexível. Na prática, o que vale é o que está escrito na COF, que é o documento que rege a relação entre franqueador e franqueado. Esse documento não está escrito na pedra. Se você não concorda com algum item, proponha uma alteração. Negocie valores para taxa de franquia, royalties, taxa de marketing. Muitas franquias oferecem carência dos royalties nos primeiros meses, nos quais seu faturamento provavelmente será menor do que os custos e seu fluxo de caixa estará mais comprometido. Desconfie, porém, se o franqueador começar a fazer muitas concessões para fechar negócio. Se a franquia está mais interessada em receber dinheiro rapidamente do que em ajudar você a ganhar no longo prazo, isso é um péssimo indicador.
  • Consulte a ABF (Associação Brasileira de Franchising)
    A ABF é uma entidade sem fins lucrativos que busca desenvolver o sistema de franquias no Brasil. Franquias consolidadas associam-se à ABF e se comprometem a seguir as diretrizes da associação, além de participar de conferências, simpósios, seminários, palestras, cursos e encontros de formação técnica sobre o Franchising.
    Você pode consultar a lista de associados da ABF neste link.

Sempre funciona?

Empreender é assumir riscos. Significa que você pode vir a ganhar bem mais do que o salário que tinha, ter liberdade para fazer coisas do seu jeito, ter mais flexibilidade de horários, etc.
Por outro lado, pode significar também que suas economias de muito tempo virem pó.
Em resumo, qualquer um que afirmar que empreendendo você terá sucesso estará sendo leviano. Empreender é um eterno “talvez”.

Por melhor que você tenha escolhido a franquia para fazer parte, é sua responsabilidade gerenciar o negócio de forma que ele seja de fato lucrativo. O apoio sério, competente e profissional de uma franquia não fará que o dinheiro comece a brotar em seu caixa sem esforço. Ainda que você esteja usufruindo de um modelo de negócio validado e estruturado, a operação de sua unidade depende de você.

Conclusão

Uma franquia pode ser uma ótima opção para você começar a empreender. É justo pagar para usufruir a experiência de alguém e não precisar cometer erros e fazer ajustes que alguém já realizou.
Por outro lado, se você está pagando por um produto ou serviço, também é justo que isto lhe seja entregue!

As dicas aqui compartilhadas visam somente alertar as pessoas para que elas não caiam em “contos de vigários” como eu vi acontecer. Felizmente, minha amiga é uma pessoa dinâmica, experiente e competente (leia-se guerreira) e conseguiu desvencilhar-se da franquia e agora está tocando seu negócio próprio. O café agora chama-se Coffee Lounge e fica na região da Vila Olímpia.

Se eu vou mencionar o nome da franquia? Claro que sim, afinal, o objetivo de contar histórias aqui no blog é que as pessoas fiquem informadas!
Chama-se Coffeetown.


Nota: Minha empresa, Desquebre, fica sediada dentro da cafeteria mencionada. Se quiser parar para tomar um café e bater um papo, é só chamar. Aliás, recomendo experimentar o brownie e o moccacino! 😉 😉

Meu primeiro dia na Google


Dia 2/6/2014 foi meu primeiro dia na Google. A empresa tem fama de ter um ambiente extremamente descontraído e muitas regalias, mas na verdade… bem, na verdade é tudo verdade!!!

ImageMesmo já tendo trabalhado em grandes empresas de tecnologia, nunca tinha visto uma estrutura e um clima tão… tão… tão Google!!

Não estou falando só do café da manhã no estilo “hotel 5 estrelas” servido diariamente, nem do almoço do mesmo nível – e grátis – para quem trabalha aqui. A Google provê todos os recursos que o funcionário precisa, e logo no primeiro dia fica claro que ter você trabalhando de forma eficiente é a coisa mais importante. Tudo reflete um clima de produtividade à base de criatividade e motivação – da decoração do escritório até o estilo das pessoas. Já cruzei até com funcionário andando descalço pelo escritório. A frase que li durante o processo seletivo: “não importa o que você veste, importa o que você é”, não é só para fazer média: é o dia-a-dia na Google.

Ok, a empresa é linda, bate palminha, fala “mamãe”, mas quero também compartilhar com vocês o que vim fazer aqui.
O cargo é “Google Business Groups Lead“, mas imagino que isso não explique muita coisa…

O que é um Google Business Group (GBG)?

A definição mais cuImagerta é: “GBGs são Comunidades de profissionais de negócios que se reúnem para compartilhar conhecimento sobre o uso de tecnologias Google para  o sucesso do negócio“.

Em outras palavras, meu desafio é identificar profissionais interessados nestas discussões, e oferecer apoio para que eles realizem encontros, eventos, desconferências, discussões e outras iniciativas – online e offline – sobre o uso de tecnologia Google em suas empresas.

Minha empolgação não poderia ser maior: há tempos eu acredito num modelo de 3 pilares para as interações sociais nas empresas: Comunicação Externa, Redes de Colaboração Interna e Comunidades. Não é segredo que este último pilar é meu “xodó”, e espero conseguir mostrar que tudo isso não é só teoria. Para isso, precisarei contar com a ajuda das fantásticas pessoas que compõem as Comunidades, sempre dispostos a compartilhar conhecimento através da interação humana. Se você tem este espírito e se encaixa no perfil de um membro ou líder de GBG, entre em contato comigo!

Em breve devo voltar com informações mais precisas sobre o trabalho aqui, e espero que as novidades sejam tão excitantes quanto estes primeiros dias na empresa!

Notas da palestra no evento Social Media Week SP, na DM9


Ontem realizei a palestra “Mercado e Negócios” no Social Media Week SP, entre as excelentes palestras do Eric Messa (Mídias Sociais no Brasil) e Patrick/Lucas (Tendências e Percepções).

O evento foi na DM9, num ambiente descontraído e muito organizado (além de bonito – gostei de conhecer o “Centro de Não Convenções” da DM9).

Aproveito para agradecer novamente os organizadores do Social Media Week pelo convite e pela atenção dedicada: Diego Remus, Gabriel Pires, Alexandre Formagio, Gilberto Jr e Michael Nicklas, além de parabenizá-los pelo evento.

Este evento foi especial para mim, pois foi o meu primeiro evento sem o logo Microsoft. Além disso, trazia um desafio especial para um engenheiro: o público era composto, em sua maioria, por publicitários.
Achei uma experiência MUITO positiva. A sessão de perguntas após as palestras (uma mesa redonda com todos os palestrantes) foi super dinâmica e só terminou por limitações de horário.

Obrigado também a todos vocês que compareceram e participaram!

A apresentação está disponível no Slideshare (acima) e conforme prometido, segue uma lista de referências sobre os assuntos abordados:

Groundswell (Charlene Li e Josh Bernoff)
Um excelente retrato das mudanças introduzidas pelas tecnologias da Internet.

Socialnomics (Eric Qualman)
Do mesmo autor de Wikinomics, este livro ajuda a entender porque empresas precisam acompanhar essas mudanças

Grown Up Digital (Don Tapscott)
Leitura “mais obrigatória ainda” para quem tem filhos. Fiz uma análise mais detalhada deste livro aqui.

The Cluetrain Manifesto (Rick Levine, Doc Searls, Christopher Locke)
Difícil de acreditar que foi escrito 10 anos atrás, de tão atual que permanece. Um pouco “revolucionário”, mas com reflexões bastante reais.

The Starfish and the Spider (Ori Brafman)
Mais um livro na linha “revolucionária”, propondo uma quebra dos paradigmas de gerenciamento de empresas. Não fica com cara de utopia por conta dos exemplos mencionados.

A Bíblia do Marketing Digital (Cláudio Torres)
Um bom livro em português sobre o assunto, bastante abrangente e atual.

Trust Agents (Chris Brogan, Julien Smith)
Importante leitura para entender o papel dos Influenciadores.

The Numerati (Stephen Baker)
Uma leitura para aqueles que querem usar os números para entender os processos.

É também possível acompanhar os livros que estou lendo através do site GoodReads. Aliás, gostaria muito de saber também o que vocês estão lendo (e gostando) – pelo GoodReads ou por aqui 😉

Grande abraço e muito obrigado a todos!

Twitter do Palma Facebook do Palma Linkedin do Palma